29 de março de 2008

KEN PARKER no Brasil - TENDÊNCIA

Depois de UM PRÍNCIPE PARA NORMA, o CLUQ (Clube dos Quadrinhos) em parceria com a Tendência Editorial Ltda, dá início a um projeto, no mínimo, ousado: relançar, no Brasil, toda a primeira série de KEN PARKER, os 59 números da aventura, em edições no seu formato original (16 X 23 cm), papel e impressão de qualidade, capa com orelhas e 104 páginas.

Mais uma vez, depois de 10 anos, renascia a esperança de ler aqueles já famosos quatro episódios que concluíam a série, A PROPÓSITO DE JÓIAS E TRAPAÇAS, O SICÁRIO, GREVE (considerada pela crítica especializada como a melhor história de Rifle Comprido) e OS GAROTOS DE DONOVAN.

A tradução, a cargo de Júlio Schneider, é fiel aos originais italianos e, assim, RIFLE COMPRIDO (KP 01), MINE TOWN (KP 02), OS CAVALHEIROS (KP 03) e HOMICÍDIO EM WASHINGTON (KP 04) são lançados no 2º semestre de 2000, este último na Comix Book Shop, em 09 de dezembro, com a presença de Ivo Milazzo (a editora distribui cartões comemorativos ao evento com cenas importantes da história de KEN PARKER: uma página de LAR DOCE LAR e a arte da capa de GREVE. Um terceiro cartão, com um close do scout, sai junto com a 1ª edição).

A Tendência, em 2001, publica outras quatro edições: CHEMAKO (KP 05), SANGUE NAS ESTRELAS (KP 06), SOB O CÉU DO MÉXICO (KP 07) e GRANDE GOLPE EM SÃO FRANCISCO (KP 08), este foi o último número da parceria. A partir de 2002 o CLUQ assumiria a Coleção KEN PARKER de vez.

CURIOSIDADES:

1. RIFLE COMPRIDO traz, na orelha da 1ª capa, informações sobre as séries da Cepim (Itália), Vecchi (Brasil) e apresenta a coleção da Tendência; o expediente vem no verso do frontispício; na página 04, as biografias de Berardi e Milazzo; o prefácio de Sergio Bonelli (quando do lançamento de KEN PARKER pela Editoriale Cepim) e o prefácio assinado pelos autores do herói (quando do lançamento de KP Serie Oro, pela Parker Editore) estão nas páginas 05 e 06; anúncio do próximo episódio na penúltima página e na orelha da 4ª capa a relação de todos os números da coleção.

2. CHEMAKO não apresenta seu subtítulo (aquele que não se recorda), certamente para não modificar o layout da capa. Em KP 05 as biografias de Berardi e Milazzo passam para a 1ª orelha e o expediente para a página 04, verso do sumário.

3. A Coleção KEN PARKER da Tendência/Tapejara não apresenta a série Rastos no Vento.

João Guilherme

2 comentários:

lisangelo disse...

Duas questoes Joao.
A Tendencia mudou o nome para Tapejara, foi isso?
E qual o motivo para a nao publicacao da serie Rastos?

[]
Lisangelo

JoguL disse...

Olá, Lisangelo,
A Tendência fez uma parceria com o CLUQ para relançar os primeiros 59 episódios de Ken Parker, a nata da saga (não sei se você concorda comigo), mas só segurou a barra até o 8º número (GRANDE GOLPE EM SÃO FRANCISCO) e caiu fora da jogada. O CLUQ, sozinho, deu continuidade à série, mantendo a mesma qualidade e formato, até o final (KP 59, OS GAROTOS DE DONOVAN).
Tapejara não é o nome de uma editora, mas de um selo, que o CLUQ criou para dar mais charme à série. Na verdade o Selo Tapejara, um T branco em retângulo negro é, praticamente, o logotipo da Tendência (o porque disso não sei lhe responder).
Também não sei lhe dizer porque não publicaram Rastos no Vento, uma pena porque tem uns desenhos lindos do Milazzo (creio que você os conhece das edições da Vecchi).
Se você não tem a Coleção Ken Parker da Tendência/CLUQ, sugiro que faça um esforço para conseguí-la (pena que alguns números já estão esgotados: 09, 10 e 11, se é que essa lista já não aumentou), juntamente com as outras publicações do CLUQ, e a série da Mythos você tem um bom material de Rifle Comprido.
Abraço,
João Guilherme.